Experiência em Realidade Virtual de Voltron

Caro leitor, se você é um fã da série Netflix da DreamWorks Voltron: Legendary Defender, você vai querer plenamente este jogo em realidade virtual para o PlayStation VR!

No game você poderá se tornar um paladino do Voltron e experimentar uma história única criada exclusivamente para VR. Com uma narrativa você estará em locais icônicos do anime “Voltron: Legendary Defender” da DreamWorks, ao lado de seus personagens favoritos.

“Guardiões da Galáxia – Mission: BREAKOUT!” é a nova atração da Disney

Neste sábado (27) estreiou Guardiões da Galáxia: Mission BREAKOUT! nova atração da Disney baseada no Universo Cinematográfico da Marvel. O local ainda não está completamente aberto para o público, alguns vídeos foram divulgados mostrando o interior da atração, com destaque para a sala do Colecionador e seus artefatos, confira:

Veja a visão do Alien em VR

Com lançamento de Alien Covenant sai uma experiência em VR 360º graus sobre uma imersão de como é a visão de um alien dentro de um humano. Veja o que a Fox disse:

“Uma viagem para um pesadelo vivo e oferece um encontro terrivelmente próximo e pessoal como um xenomorfo alienígena está no momento de seu nascimento. Os fãs serão capazes de experimentar o mundo ao seu redor, revivendo as primeiras memórias dele em um ambiente imersivo. “

Caso você não tenha um equipamento VR veja abaixo o vídeo que disponibilizaram.

Um herói de pai para filho

Comparar gerações é algo muito difícil, a complexidade de variáveis, partindo desde a longevidade entre elas até o mundo em que cada um viveu, são sem dúvida, um dos fatores mais relevantes para diferenciá-las, e mesmo que cada um de nós tenha vivido experiências diferentes em culturas e tempos diferentes nossos nuances não foram mais fortes que alguns ícones. As gerações X, Y e Z podem ser totalmente discriminantes em seu modo de agir, contudo os nascidos no pós-guerra, e os nativos digitais, ainda compartilham alguns de seus heróis, pois sua essência ainda é a mesma.

Recentemente, assistindo Steven Universo, eu me peguei pensando no quanto a ideia por traz daquele desenho era boa, e o porque não ser aproveitada de uma maneira mais extensa, com mais episódios ou em um reboot mais “adulto”, e foi ai que eu percebi, a ideia do desenho não era ser  o assunto de um Happy Hour, era apenas em formar um novo herói, e não um herói de peito estufado que voa por galaxias ou um soldado que carrega o simbolo de seu pais difundindo a liberdade, ele foi apenas criado para ser um herói dos dias de hoje, onde a tecnologia esta em todos os lugares, assuntos considerados tabus não são mais monstros de sete cabeças, e um lugar onde a preocupação das pessoas é diferente. Steven não é um gênio, não tem super força, e não é o nerd deslocado que apanha de valentões, ele com certeza não é o esteriótipo do herói clássico, e não só ele, toda a nova geração Cartoon Network, Disney, Marvel ou seja lá qual for, já bebe dessa fonte, logicamente heróis já consagrados não vão ter um retrocesso de toda a sua história, mas eles vão ser adaptados; vivemos em uma época onde o Peter Parker não é mais o entregador de pizza com o rosto inocente, nós crescemos, e ele também, o amigão da vizinhança passou de fotógrafo para cientista e personagens com potencial de sagas complexas e de um êxtase universal têm como foco principal o público infantil, que também crescerá e terá seu próprio perfil de herói.

Primeiro lendas e mitos, depois mídia impressa, caminhando um pouco mais rápido à televisão e alcançando seu espaço nas telonas, essa frase pode resumir a saga de muitas histórias, principalmente as da cultura geekie que, além de ser fiel e permutar por todas essas mídias, ainda é a responsável por desmistificar o “isso é coisa de criança” e mostrar que uma capa e uma máscara carregam muito poder consigo, no mundo imaginário e no mundo real; sair das HQ’s e chegar ao cinema fez com que muitas pessoas conhecessem, e  que muitos nerd’s delirassem em histórias sensacionais, plantando pequenas sementes forjadas por todas as gerações, o que, sinceramente, é o simples reflexo do novo mundo, o mundo globalizado e intercalado, diminuindo o espaço e misturando o melhor de cada época, um mundo singular em que todos tivemos sorte de desfrutar pelo menos uma centelha do que é o abraço apertado que mistura esse aglomerado de ideias. Ícones sempre vão existir, heróis sempre vão ser heróis, a diferença entre o Batman dos anos 60 e o de hoje está simplesmente no modo de como suas histórias são contadas, e eu espero que isso continue, e que daqui a algum tempo eu veja heróis como o Steven sendo tão aclamados quanto os nossos queridos clássicos.

Por J.Kepler

Segredos dos efeitos especiais de Logan

Logan além de ser um filme incrível tem um trabalho duro de computação gráfica por trás que possivelmente se você não estivesse lendo aqui neste artigo, nem saberia que existe. Desenvolvido pelo estúdio canadense Image Engine auxiliou na criação das versões em CGI dos personagens confira.

Repare que existe um dublê para as cenas de motorista.

fusi-duble-logan
fusi-logan-duble
Existe uma versão em CGI de Logan:

logan-cgi-referencia
fusi-cgi-logan-3d2
fusi-logan-cgi-3d-1

Assim como de Laura. Está muito difícil de distinguir a original de versão em CGI.

fusi-laura_cgifusi-laura-cgi2

Confira nossa crítica neste link. 

Veja os principais destaques do Grammys 2017

A cerimônia que aconteceu no Staples Center, em Los Angeles, neste domingo (12). Apresentado por James Corden, conhecido pelo quadro de TV “Carpool Karaoke”. O estreante deu mais leveza e renovou a cerimônia, após cinco anos seguidos comandados por LL Cool J.

FUSI_james_corden_grammys_2017.jpg

Adele foi a principal vencedora do Grammy 2017. A cantora inglesa venceu as principais categorias da noite, incluindo: melhor música e gravação, com “Hello“, e álbum do ano, com “25”. Ela se apresentou duas vezes: abrindo a cerimônia com a música premiada e em uma homenagem a George Michael, com “Fast love“. Na homenagem, ela errou e pediu para começar a música de novo.

fusi-adele-grammy-2017.jpg

 

No começo da apresentação, Adele, que parecia muito emocionada e fora de tom em alguns versos, pediu para começar de novo e ainda soltou um palavrão. “Sinto muito por começar de novo. Podemos começar de novo? Desculpe, não posso f… tudo por ele”. Depois que começou de novo e terminou a música, ela foi muito aplaudida. Em 2016, ela também teve um problema parecido no palco do Grammy.

A principal concorrente de Adele nas principais categorias era Beyoncé. Ela venceu na categoria de melhor videoclipe, por “Formation” e de melhor álbum urbano contemporâneo, por “Lemonade”. A cantora armou uma performance de vídeo e teatro para apresentar a música “Love drought”, um número reflexivo e pouco dançante do álbum “Lemonade”. Teve até uma cadeira que se inclinava assustadoramente.

FUSI-GRAMMY BEYONCE 2.jpg

Outro que merece grande destaque é David Bowie [1947 – 2016] que ganhou, de maneira póstuma, os primeiros prêmios Grammy musicais de sua carreira.

Bowie venceu na categoria de melhor performance de rock e melhor canção de rock por “Blackstar”. O britânico também foi o escolhido nas categorias de melhor pacote de gravação, prêmio compartilhado com o diretor artístico Jonathan Barnbrook, e melhor produção de álbum não clássico, junto com Tom Elmhirst, Kevin Killen, Tony Visconti e Joe Laporta, ambos pelo disco “Blackstar”.

O britânico tinha conseguido em 1984 um único Grammy pelo videoclipe de “Jazzin for Blue Jean”, mas nunca tinha sido consagrado nas categorias musicais.

O duo francês, Daft Punk, fizeram sua primeira performance ao vivo desde 2014 acompanhando o cantor e produtor The Weeknd na bem-sucedida parceria “Starboy”

fusi-The-Weeknd-Daft-Punk-Grammy.jpg

Ao receber o seu primeiro Grammy, os integrantes do Twenty One Pilots resolveram cumprir a promessa e subir ao palco de cuecas. Eles ganharam por melhor performance pop de um duo ou grupo.

FUSI-twenty-one-pilots-grammy.jpg

O apresentador James Corden, proporcionou um dos bons momentos do Grammy ao juntar-se a Jennifer Lopez para uma brincadeira de “Carpool Karaoke” junto com um grupo que reuniu John Legend, Keith Urban, Faith Hill, Jason Derulo e o veterano Neil Diamond, todos cantaram “Sweet Caroline”. O mais adorável foi ver a pequena Blue Ivy no meio dos “grandões”.

fusi-carpoolkaraoke-grammy.jpg

Katy Perry apresentou “Chained to the Rhyhm”, a política canção que lançou na sexta-feira (10). Sua performance foi em uma casa isolada por uma cerca não deixou dúvidas sobre o que ela falava: as ameaças à liberdade.

fusi-kate perry-grammy-.jpg

Outra falha ao vivo no Grammy foi o microfone de James Hetfield, do Metallica. Ele falhou durante o dueto da banda de heavy metal com Lady Gaga. Eles cantaram a música “Moth to the flame”, umas das ótimas músicas do álbum mais recente do grupo, “Hardwired to self-destruct”. James acabou cantando de rosto colado com Gaga para aproveitar seu microfone durante boa parte da música.

fusi-metallica-e-lady-gaga-grammy.jpg

Mais um momento político se deu na apresentação do grupo de rap A Tribe Called Quest com o cantor Anderson .Paak. O rapper convidado Busta Rhymes chamou Donald Trump de “Presidente Agente Laranja” e a decisão de seu governo de impedir a entrada de cidadãos de países muçulmanos foi lembrada no palco, com punhos levantados, em estilo Panteras Negras.

fusi-a-tribe-called-quest-grammy

Pra finalizar, Bruno Mars, que além de apresentação solo, se vestiu à caráter como o Prince do álbum “Purple rain” (1984) para prestar tributo ao astro, falecido em abril. E mandou muito bem na dança, no canto e na guitarra ao interpretar um dos grandes sucessos do cantor, “Let’s go crazy”.

fusi-bruno-mars-prince-grammys-2017.jpg

Comente qual foi o momento mais marcante pra você nesse Grammy 

Veja a lista de vencedores do Grammy 2017

Com cinco estatuetas, pelas categorias: Álbum do Ano, Gravação do Ano, Música do Ano (“Hello”), Melhor Performance Pop Solo (“Hello”) e Melhor Álbum Vocal Pop. Adele foi a grande vencedora da noite 

Adele superou até Beyoncé, com quem concorria em todas as categorias. A cantora americana levou os prêmios de Melhor Álbum de Música Contemporânea e Melhor Videoclipe, com “Formation”. David Bowie [1947 – 2016] ganhou, de maneira póstuma, os primeiros prêmios Grammy musicais de sua carreira, ganhando quatro estatuetas, incluindo: Melhor Performance de Rock e Melhor Música de Rock.

Álbum do Ano

  • Adele – 25
  • Beyoncé – Lemonade
  • Drake – Views
  • Justin Bieber – Purpose
  • Sturgill Simpson – A Sailor’s Guide to Earth

Gravação do Ano

  • Adele – “Hello”
  • Beyonce – “Formation”
  • Rihanna – “Work”
  • Twenty-One Pilots – “Stressed Out”
  • Lukas Graham – “7 years”

Música do Ano

  • Beyoncé – “Formation”
  • Adele – “Hello”
  • Mike Posner – “I Took a Pill in Ibiza”
  • Justin Bieber – “Love Yourself”
  • Lukas Graham – “7 Years”

Artista Revelação

  • Anderson .Paak
  • Chance the Rapper
  • Maren Morris
  • The Chainsmokers
  • Kelsea Ballerini

Pop

Melhor Performance Solo

  • Adele – “Hello”
  • Beyoncé – “Hold Up”
  • Justin Bieber – “Love Yourself”
  • Kelly Clarkson – “Piece by Piece” (“Idol” Version)
  • Ariana Grande – “Dangerous Woman”

Melhor Performance dupla ou grupo

  • The Chainsmokers – “Closer” [ft. Halsey]
  • Lukas Graham – “7 Years”
  • Rihanna – “Work” [ft. Drake]
  • Sia – “Cheap Thrills” [ft. Sean Paul]
  • Twenty One Pilots – “Stressed Out”

Melhor Álbum vocal pop

  • Adele – 25
  • Justin Bieber – Purpose
  • Ariana Grande – Dangerous Woman
  • Demi Lovato – Confident
  • Sia – This Is Acting

Melhor Álbum Pop Tradicional

  • Andrea Bocelli – Cinema
  • Bob Dylan – Fallen Angels
  • Josh Groben – Stages Live
  • Willie Nelson – Summertime: Willie Nelson Sings Gershwin
  • Barbra Streisand – Encore: Movie Partners Sing Broadway

Rap

Melhor Apresentação Rap

  • Chance the Rapper – “No Problem” [ft. 2 Chainz and Lil Wayne]
  • Desiigner – “Panda”
  • Drake – “Pop Style” [ft. The Throne]
  • Fat Joe / Remy Ma – “All the Way Up” [ft. French Montana and Infrared]
  • Schoolboy Q – “That Part” [ft. Kanye West]

Melhor Colaboração Rap

  • Beyoncé – “Freedom” [ft. Kendrick Lamar]
  • Drake – “Hotline Bling”
  • D.R.A.M. – “Broccoli” [ft. Lil Yachty]
  • Kanye West – “Ultralight Beam” [ft. Chance the Rapper, Kelly Price, Kirk Franklin and The-Dream]
  • Kanye West – “Famous” [ft. Rihanna]

Melhor Música Rap

  • Fat Joe / Remy Ma – “All the Way Up” [ft. French Montana and Infrared]
  • Kanye West – “Famous” [ft. Rihanna]
  • Drake – “Hotline Bling”
  • Chance the Rapper – “No Problem” [ft. 2 Chainz and Lil Wayne]
  • Kanye West – “Ultralight Beam” [ft. Chance the Rapper, Kelly Price, Kirk Franklin and The-Dream]

Melhor Álbum de Rap

  • Chance the Rapper – Coloring Book
  • De La Soul – and the Anonymous Nobody…
  • DJ Khaled – Major Key
  • Drake – Views
  • Schoolboy Q – Blank Face LP
  • Kanye West – The Life of Pablo

Alternativo

Melhor Álbum de música alternativa

  • Bon Iver – 22, A Million
  • David Bowie – Blackstar
  • PJ Harvey – The Hope Six Demolition Project
  • Iggy Pop – Post Pop Depression
  • Radiohead – A Moon Shaped Pool

R&B

Melhor Performance R&B

  • BJ the Chicago Kid – “Turnin’ Me Up”
  • Ro James – “Permission”
  • Musiq Soulchild – “I Do”
  • Rihanna – “Needed Me”
  • Solange – “Cranes in the Sky”

Melhor Performance de R&B Tradicional

  • William Bell – “The Three of Me”
  • BJ The Chicago Kid – “Woman’s World”
  • Fantasia – “Sleeping with the One I Love”
  • Lalah Hathaway – “Angel”
  • Jill Scott – “Can’t Wait”

Melhor Música R&B

  • PartyNextDoor feat. Drake – “Come See Me”
  • Bryson Tiller – “Exchange”
  • Rihanna – “Kiss It Better”
  • Maxwell – “Lake By the Ocean”
  • Tory Lanez – “Luv”

Melhor Álbum de R&B

  • BJ The Chicago Kid – In My Mind
  • Lalah Hathaway – Lalah Hathaway Live
  • Terrace Martin – Velvet Portraits
  • Mint Condition – Healing Season
  • Mya – Smoove Jones

Melhor Álbum de Música Contemporânea

  • Beyoncé – Lemonade
  • Gallant – Ology
  • KING – We Are King
  • Anderson .Paak – Malibu
  • Rihanna – Anti

Rock

Melhor Performance Rock

  • “Joe” (Live From Austin City Limits) – Alabama Shakes 
  • “Don’t Hurt Yourself” – Beyoncé Featuring Jack White 
  • “Blackstar” – David Bowie 
  • “The Sound Of Silence” (Live On Conan) – Disturbed
  • “Heathens” – Twenty One Pilots

Melhor Performance Metal

  • “Shock Me” – Baroness
  • “Silvera” – Gojira 
  • “Rotting In Vain” – Korn 
  • “Dystopia” – Megadeth
  • “The Price Is Wrong” – Periphery

Melhor Música (Composição) Rock

  • “Blackstar” – David Bowie (David Bowie)
  • “Burn The Witch” – Radiohead (Radiohead)
  • “Hardwired” – James Hetfield & Lars Ulrich (Metallica)
  • “Heathens” – Tyler Joseph (Twenty One Pilots)
  • “My Name Is Human” – Rich Meyer, Ryan Meyer & Johnny Stevens (Highly Suspect) 

Melhor Álbum Rock

  • California – Blink-182 
  • Tell Me I’m Pretty – Cage The Elephant 
  • Magma – Gojira
  • Death Of A Bachelor – Panic! At The Disco 
  • Weezer – Weezer

Dance/Eletro

Melhor Gravação de Dance Music

  • “Tearing Me Up” – Bob Moses
  • “Don’t Let Me Down” – The Chainsmokers Featuring Daya
  • “Never Be Like You” – Flume Featuring Kai
  • “Rinse & Repeat” – Riton Featuring Kah-Lo
  • “Drinkee” – Sofi Tukker

Melhor Disco de Dance Music/Música Eletrônica

  • Skin – Flume
  • Electronica 1: The Time Machine – Jean-Michel Jarre
  • Epoch – Tycho
  • Barbara Barbara, We Face A Shining Future – Underworld
  • Louie Vega Starring…XXVIII – Louie Vega

Videoclipe

Melhor Videoclipe

  • Beyoncé – “Formation”
  • Leon Bridges – “River”
  • Coldplay – “Up & Up”
  • Jamie xx – “Gosh”
  • OK Go – “Upside Down & Inside Out”

Melhor Filme sobre Música

  • Steve Aoki – I’ll Sleep When I’m Dead
  • The Beatles – The Beatles: Eight Days a Week The Touring Years
  • Beyoncé – Lemonade
  • Yo-Yo Ma & the Silk Road Ensemble – The Music of Strangers
  • Various Artists – American Saturday Night: Live from the Grand Ole Opry